Artistas portugueses confirmados no Festival MED

Foto: Frankie Chavez (por Rita Carmo)

Luísa Sobral, Sean Riley & The Slowriders, Lula Pena, António Zambujo, Marrokan, Pinto Ferreira, Márcia, projecto Batida, Frankie Chavez, Os Golpes, The Soaked Lamb, The Gilbert’s Feed Band e Al Mouraria são os nomes nacionais confirmados no Festival MED, que se realiza entre os dias 22 e 25 de Junho, em Loulé.

Daniel Pinto Lopes

Trata-se da oitava edição do festival nacional de ‘world music’ (música do mundo) e considerado primeiro do Verão. De 22 a 25 de Junho, o centro histórico da cidade de Loulé voltar a receber os sons e as experiências culturais “e de fusão das mais variadas manifestações artísticas”, refere a organização em comunicado enviado ao Expressões Lusitanas.

São cinco os palcos montados para o efeito. A Cerca e Matriz voltam a ser os palcos principais e acolhem os nomes do circuito internacional da música do mundo. Por seu lado, o palco Castelo recebe o “que de melhor se faz em Portugal”.

No primeiro dia do evento, 22 de Junho, o fadista António Zambujo apresentará o seu quarto disco intitulado ‘Guia’. Por seu lado, a intérprete, compositora e conhecida também por ser a voz de um dos temas de Rodrigo Leão (‘Pasión’), Lula Pena, vai dar a conhecer o seu mais recente trabalho discográfico ‘Troubador’. Já a morna, a ‘soul’, o ‘reggae’ e o fado unem-se na “alquimia de sons” criada por Marrokan.

“O músico, que rumou a solo após ter fundado a banda Manif3stos, lançou-se numa aventura multicultural, com paragens nas terras de África e Médio Oriente. ‘Complications in Every Relation’ é o primeiro tema de estreia do álbum ‘Glorius to Link Us’, com edição marcada para Outubro deste ano”, detalha a organização.

Na quinta-feira, 23 de Junho, o Palco Castelo está por conta dos Sean Riley & The Slowriders, que irão apresentar ‘It’s Been a Long Nigt’, o mais recente disco de originais da banda. ‘Silver’ é o nome do tema de avanço deste trabalho, que, à semelhança do anterior ‘Only Time Will Tell’ (2009), foi produzido por Nelson Carvalho.

Neste mesmo dia sobem a palco Os Golpes, grupo cuja sonoridade se situa “entre o ‘rock’ e a música tradicional portuguesa”, protagonizada por Manuel Fúria (voz, letras e guitarra), Pedro da Rosa (guitarra e segundas vozes), Luís (baixo e coros) e Nuno Moura (bateria e coros).

A fechar o dia 23 de Junho está The Gilbert’s Feed Band, “para surpreender com as suas ‘performances’ acrobáticas e a atitude burlesca”, descreve a organização na nota enviada ao Expressões Lusitanas. O colectivo vai apresentar o álbum ‘The Flabbergasting Return of The Grand Strambolic Circus’, lançado em 2010.

No dia seguinte, 24 de Junho, Luísa Sobra sobe ao palco Castelo para apresentar o seu disco de estreia – ‘The Cherry On My Cake’. Este mesmo dia recebe o projecto Batida, grupo que mistura o ‘kuduro’ com a electrónica, e é uma das últimas confirmações lusas para a edição de este ano do Festival Med.

Ainda na sexta-feira, 24 de Junho, o colectivo The Soaked Lamb apresentará ‘Hats & Chairs’, álbum editado em 2010. “Este segundo trabalho reúne temas com influências de grandes nomes, como Nina Simone, Reverend Gary Davis, Billie Holiday, Chico Buarque ou Paolo Conte”, elucidam os organizadores. O dia ficará completo com a actuação do Al Mouraria, projecto que “recupera a tradição da Mouraria [bairro lisboeta] e lhe adiciona sonoridades do fado mais moderno”, avança.

O cartaz do palco Castelo, dedicado exclusivamente aos nomes nacionais, fica fechado no dia 25 de Junho com a presença da fadista Márcia, que editou no final do ano passado o seu primeiro trabalho ‘Dá’. Também os Pinto Ferreira sobem ao palco do Med. “Lançaram um primeiro álbum, homónimo, que remete para o universo imaginário de um escritório enfadonho” e o seu tema de estreia chama-se ‘Violinos No Telhado’.

A sonoridade ‘blues’ de Frankie Chavez completa a lista dos artistas portuguesas na oitava edição do Festival Med

Os nomes internacionais que figuram no cartaz são Jaadu – Faiz Ali Faiz & Titi Robin, Muchachito Bombo Infierno, Seun Kuti & Egypt 80, George Clinton Parliament Funkadelic, Balkan Brass Battle, Afrocubism, Mulatu Astatke, DakhaBrakha e Magnifico.

O bilhete diário custa 12€ e o passe de festival (quatro dias) vale 40€.

2 de Junho de 2011 às 20:12

Os comentários estão fechados